Partido Comunista Internacional Corpo unitário e invariante das teses do partido
 

Partido Obreiro Social-Democrata Russo
A conferência das secções do POSDR no exterior
27 de Fevereiro - 4 de Março, 1915

RESOLUÇÕES SOBRE A GUERRA IMPERIALISTA

 


A conferência das secções do POSDR no exterior

Realizada na Suíça, uma conferência dos grupos do POSDR cujos membros residem no estrangeiro concluiu os seus trabalhos há vários dias atrás. Além de discutir assuntos relevantes exclusivamente relacionados às relações exteriores, em que tentaremos comentar brevemente nas próximas edições do Órgão Central, a conferência emoldurou resoluções sobre a importante questão da guerra. Estamos a publicar imediatamente estas resoluções, na esperança de que venham a revelar-se úteis a todos os social-democratas que procuram sinceramente o caminho para o trabalho ao vivo, a partir da atual onda de opiniões que se resume num reconhecimento do internacionalismo em palavras, e um impulso para chegar a termos a qualquer custo com o social-chauvinismo em atos. Poderíamos acrescentar que, sobre a questão do slogan “Estados Unidos da Europa”, a discussão foi puramente política, tendo sido decidido que a questão seria adiada enquanto se aguardava uma discussão, na imprensa, do aspeto económico da questão.


AS RESOLUÇÕES DA CONFERÊNCIA

A conferência, que se baseia no Manifesto do Comité Central, tal como publicado no No. 33, estabelece os seguintes princípios destinados a trazer um sistema para a propaganda:


SOBRE O CARÁCTER DA GUERRA

A guerra atual é de carácter imperialista. Esta guerra é o resultado de condições numa época em que o capitalismo atingiu a fase mais alta do seu desenvolvimento; fase em que atribui a maior importância não só à exportação de mercadorias, mas também à exportação de capital; uma época em que a cartelização da produção e a internacionalização da vida económica assumiram proporções impressionantes, em que as políticas coloniais provocaram a divisão quase completa do globo, as forças produtivas do capitalismo mundial ultrapassaram as fronteiras limitadas das divisões nacionais e estatais, e as condições objetivas estão perfeitamente maduras para que o socialismo seja alcançado.


O SLOGAN DA “DEFESA DA PÁTRIA”

A guerra atual é, em substância, uma luta entre a Grã-Bretanha, França e Alemanha pela divisão das colónias e pela pilhagem dos países rivais; por parte do czarismo e das classes dominantes da Rússia, é uma tentativa de apoderar-se da Pérsia, Mongólia, a Turquia na Ásia, Constantinopla, Galiza, etc. O elemento nacional na guerra Austro-Sérvia é uma consideração inteiramente secundária e não afeta o carácter imperialista geral da guerra.

Toda a história económica e diplomática das últimas décadas mostra que ambos os grupos de nações beligerantes estavam sistematicamente a preparar o próprio tipo de guerra como a atual. A questão de qual grupo deu o primeiro golpe militar ou a primeira guerra declarada é imaterial em qualquer determinação das táticas dos socialistas. As frases de ambos os lados sobre a defesa da pátria, a resistência à invasão inimiga, uma guerra de defesa, etc., não são mais do que deceção do povo.

No fundo de erras genuinamente nacionais, como as que tiveram lugar especialmente entre 1789 e 1871, esteve um longo processo de movimentos nacionais de massas, de uma luta contra o absolutismo e o feudalismo, o derrubamento da opressão nacional, e a formação de estados numa base nacional, como pré-requisito para o desenvolvimento capitalista.

A ideologia nacional criada por essa época deixou uma profunda impressão na massa da pequena burguesia e de uma secção do proletariado. Isto está agora a ser utilizado numa época totalmente diferente e imperialista pelos sofistas da burguesia, e pelos traidores ao socialismo que os seguem na sua esteira, de modo a dividir os trabalhadores, e desviá-los dos seus objetivos de classe e da luta revolucionária contra a burguesia.

As palavras do Manifesto Comunista de que “os trabalhadores não têm país” são hoje mais verdadeiras do que nunca. Só a luta internacional do proletariado contra a burguesia pode preservar o que ganhou, e abrir às massas oprimidas o caminho para um futuro melhor.


OS SLOGANS DOS SOCIAL-DEMOCRATAS REVOLUCIONÁRIOS

A conversão da atual guerra imperialista numa guerra civil é o único slogan proletário correto, que decorre da experiência da Comuna, e delineado na resolução de Basileia (1912); foi ditada por todas as condições de uma guerra imperialista entre países burgueses altamente desenvolvidos”.

A guerra civil, para a qual a social-democracia revolucionária apela hoje, é uma luta armada do proletariado contra a burguesia, pela expropriação da classe capitalista nos países capitalistas avançados, e por uma revolução democrática na Rússia (uma república democrática, uma jornada de trabalho de oito horas, o confisco dos latifúndios dos senhorios), por governos republicanos a serem formados nos países monárquicos retardados em geral, etc.

A terrível miséria das massas, que foi criada pela guerra, não pode deixar de evocar sentimentos e movimentos revolucionários. O slogan da guerra civil deve servir para coordenar e dirigir tais sentimentos e movimentos.

A organização da classe trabalhadora tem sido gravemente prejudicada. No entanto, está a amadurecer uma crise revolucionária. Após a guerra, as classes dirigentes de todos os países farão um esforço ainda maior para fazer recuar o movimento de emancipação do proletariado durante décadas. A tarefa dos social-democratas revolucionários - tanto no caso de um desenvolvimento revolucionário rápido como no de uma crise prolongada, não consistirá em renunciar ao trabalho demorado e diário, ou em descartar qualquer dos velhos métodos da luta de classes. Dirigir tanto a luta parlamentar como a económica contra o oportunismo, no espírito da luta revolucionária das massas - tal será a tarefa.

Os passos seguintes devem ser indicados como os primeiros passos para a conversão da atual guerra imperialista numa guerra civil:
     1) a recusa absoluta de votar a favor dos créditos de guerra, e a demissão dos governos burgueses;
     2) uma rutura total com a política de uma “trégua de classe” (bloco nacional, Burgfrieden);
     3) a formação de uma organização clandestina onde quer que os governos e a burguesia abolam as liberdades constitucionais através da introdução da lei marcial;
     4) apoio à confraternização entre os soldados das nações beligerantes, nas trincheiras e nos campos de batalha em geral;
     5) apoio a todo o tipo de ação de massa revolucionária do proletariado em geral.


O OPORTUNISMO E O COLAPSO DA SEGUNDA INTERNACIONAL

O colapso da Segunda Internacional é o colapso do oportunismo socialista. Este último cresceu como um produto do período “pacífico” anterior no desenvolvimento do movimento obreiro. Esse período ensinou a classe trabalhadora a utilizar meios de luta tão importantes como o parlamentarismo e todas as oportunidades legais, a criar organizações económicas e políticas de massas, uma imprensa laboral generalizada, etc.; por outro lado, o período gerou uma tendência para repudiar a luta de classes e para pregar uma trégua de classes, repudiar a revolução socialista, repudiar o próprio princípio das organizações ilegais, reconhecer o patriotismo burguês, etc. Alguns estratos da classe trabalhadora (a burocracia do movimento operário e a aristocracia operária, que obtêm uma fração dos lucros da exploração das colónias e duma posição privilegiada das suas “pátrias” no mercado mundial), bem como simpatizantes pequeno-burgueses no seio dos partidos socialistas, provaram ser a base social destas tendências e serem os canais da influência burguesa sobre o proletariado.

A influência ruinosa do oportunismo fez-se sentir mais fortemente nas políticas da maioria dos partidos social-democratas oficiais da Segunda Internacional durante a guerra. O voto a favor dos créditos de guerra, a participação nos governos, a política de “tréguas de classe”, o repúdio de uma organização ilegal quando a legalidade foi anulada - tudo isto é uma violação das decisões mais importantes da Internacional, e uma traição ao socialismo.


A TERCEIRA INTERNACIONAL

A crise criada pela guerra expôs a verdadeira essência do oportunismo como cúmplice da burguesia contra o proletariado. O chamado “Centro” social-democrata, liderado por Kautsky, praticamente deslizou completamente para o lado do oportunismo, por detrás de uma capa de frases extremamente nocivas e hipócritas e de um marxismo falsificado de modo a se assemelhar ao imperialismo. A experiência mostra que na Alemanha, por exemplo, uma defesa do ponto de vista socialista só foi possível através de uma oposição resoluta à vontade da maioria da liderança do partido. Seria uma ilusão prejudicial ter esperança de que uma Internacional genuinamente socialista possa ser restaurada sem separar-nos organizacionalmente dos oportunistas.

O Partido Obreiro Social-Democrata Russo deve apoiar toda e qualquer ação de massas internacional e revolucionária do proletariado, e esforçar-se por reunir todos os elementos anti-chauvinistas na Internacional.


O PACIFISMO E O SLOGAN DA PAZ

O pacifismo, a pregação da paz em abstrato, é um dos meios de enganar a classe trabalhadora. Sob o capitalismo, particularmente na sua fase imperialista, as guerras são inevitáveis. Por outro lado, porém, os social-democratas não podem ignorar o significado positivo das guerras revolucionárias, ou seja, não guerras imperialistas, mas guerras como as que foram travadas, por exemplo, entre 1789 e 1871, com o objetivo de acabar com a opressão nacional, e criar estados capitalistas nacionais a partir dos estados descentralizados feudais, ou agora tais guerras que podem ser travadas para defender as conquistas do proletariado vitorioso na sua luta contra a burguesia.

Atualmente, a propaganda da paz não acompanhada por um apelo à ação revolucionária de massas só pode semear ilusões e desmoralizar o proletariado, pois faz o proletariado acreditar que a burguesia é humanitária, e transforma-a num brinquedo nas mãos da diplomacia secreta dos países beligerantes. Em particular, a ideia de uma chamada paz democrática ser possível sem uma série de revoluções é profundamente errada.


A DERROTA DA MONARQUIA CZARISTA

Em cada país, a luta contra um governo que está a travar uma guerra imperialista não deve vacilar perante a possibilidade da derrota desse país como resultado de propaganda revolucionária. A derrota do exército do governo enfraquece o governo, promove a libertação das nacionalidades que oprime, e facilita a guerra civil contra as classes dirigentes.

Isto é particularmente verdade no que diz respeito à Rússia. Uma vitória da Rússia trará no seu comboio um reforço da reação, tanto em todo o mundo como no interior do país, e será acompanhada pela completa escravidão dos povos que vivem em zonas já confiscadas. Perante isto, consideramos a derrota da Rússia o mal menor em todas as condições.


A ATITUDE EM RELAÇÃO A OUTROS PARTIDOS E GRUPOS

A guerra, que gerou uma vaga de chauvinismo, revelou que os intelectuais democráticos (Narodniks), o partido dos Socialistas-Revolucionários (com total instabilidade da tendência oposta, centrada em Mysl), e o principal grupo de liquidatários (Nasha Zarya) que é apoiado por Plekhanov, estão todos sob o domínio do chauvinismo. Na prática, o Comité Organizador está também do lado do chauvinismo, começando pelo apoio camuflado de Larin e Martov ao chauvinismo e terminando com a defesa do princípio do patriotismo por Axelrod; o mesmo acontece com a Bund, no qual prevalece um chauvinismo germanófilo. O bloco de Bruxelas (de 3 de Julho de 1914) desintegrou-se, enquanto os elementos que se agrupam em torno de Nashe Slovo vacilam entre uma simpatia platónica com o internacionalismo e uma luta pela unidade, a qualquer preço, com Nasha Zarya e o Comité Organizador. A mesma vacilação é manifesta no grupo social-democrata de Chkheidze. Este último, por um lado, expulsou o Plekhanovite, ou seja, o chauvinista, Mankov; por outro lado, deseja encobrir, por todos os meios possíveis, o chauvinismo de Plekhanov, Nasha Zarya, Axelrod, a Bund, etc.

É tarefa do Partido Social-Democrata do Trabalho na Rússia consolidar a unidade proletária criada em 1912-14, principalmente através do Pravda, e restabelecer as organizações da classe trabalhadora do Partido Social-Democrata, com base numa rutura organizacional decisiva com os social-chauvinistas. Só são possíveis acordos temporários com os social-democratas que defendem uma rutura organizacional decisiva com o Comité Organizador, Nasha Zarya e a Bund.