Partido Comunista Internacional Corpo unitário e invariante das teses do partido

Terceira Internacional Comunista

1º Executivo Alargado - junho 1922

 

RELATÓRIO DO E.C. DO P.C.de I. AO COMINTERN SOBRE AS TÁTICAS DO PARTIDO E SOBRE A QUESTÃO DA FRENTE ÚNICA



  - História das táticas do Partido até aos dias de hoje
  - Evolução e perspetivas das táticas do Partido Comunista de Itália
3   - O Congresso e as Relações entre o P.C. de I. e o Comintern
- Propostas Concretas feitas pelo C.E. do P.C. de I. ao Comintern




1. História das táticas do Partido até aos dias de hoje

O P.C. de I.., que surgiu num momento muito difícil, teve de dedicar a maior parte da sua atenção ao trabalho de organização interna. Durante este período, enquanto trabalhava e difundia propaganda em todos os campos, levou a cabo uma tática de ação independente para conquistar posições partidárias contra todos os outros partidos.

Desde o inicio, porém, as conceções táticas do partido não tinham nada em comum com as lendárias tendências voluntaristas e golpistas que lhe foram por vezes atribuídas. Consciente de ser um partido minoritário, o P.C. de I.. nunca acreditou que pudesse, juntamente com as forças diretamente sob o seu guarda-chuva, preparar o golpe de Estado para a conquista revolucionária do poder. Não é por causa desta ilusão, mas devido à própria necessidade da sua existência e da sua penetração entre as massas que o P.C. de I. formou um corpo militar e conduziu e continua a conduzir ações de guerrilha contra as forças burguesas.

As táticas do P.C. de I.. têm sido completamente marxistas, e o seu desenvolvimento está completamente de acordo com as resoluções do 3º Congresso, que não são uma retificação das táticas do P.C. de I.., mas representam a verdadeira experiência das lutas proletárias possuídas pelo movimento comunista marxista tanto em Itália como no estrangeiro, e que é bastante distinta do revolucionismo romântico de certos outros grupos extremistas. Prova disso é o contraste entre o nosso partido e os sindicalistas e anarquistas italianos.

O nosso partido compreendeu imediatamente que uma condição para a realização do seu programa revolucionário era a "conquista das grandes massas". Ao constituir em Livorno o "verdadeiro" partido comunista, e organizando-o sobre bases sólidas, apenas uma das condições revolucionárias foi assegurada: era necessário realizar a outra, estruturar em torno deste partido a grande massa do proletariado, nos seus estratos mais combativos.

Falando disso: se rejeitamos a fórmula da conquista da "maioria" do proletariado, e se nos preocupa que a função de reagente das minorias organizadas vanguardistas não deva ser desvalorizada, não acreditamos com isto especificar, sem negar o seu espírito, o alcance das táticas marxistas decididas pelo III Congresso.

A prova desta boa orientação tática do Partido reside no facto de desde o primeiro momento ter empreendido um trabalho sindical muito intenso, em que a intervenção constante em todas as questões, mesmo as contingentes, que interessam aos trabalhadores é acompanhada pela clara diretiva revolucionária que inspira todo o trabalho. O partido inteiro, longe de ter tendências ao estilo "K.A.P.D." para a divisão sindical, fez sua a palavra de ordem da unificação sindical do proletariado italiano.

Mas o problema de alcançar com a nossa propaganda as massas controladas pelos socialistas e anarquistas apresentou-se-nos de imediato, e foi praticamente resolvido mesmo antes de possuirmos os dados do 3º Congresso e do Congresso dos sindicatos vermelhos. O estudo da situação italiana ditou-nos o nosso plano tático: mas longe de o seguir inconscientemente como o camarada Zinoviev supõe erradamente num dos seus escritos, fomos nós que o elaborámos e lançámos entre as massas, tendo naturalmente em conta as disposições e tendências destas últimas.

Dada a partir de Agosto de 1921 a proposta formal do COMITÉ SINDICAL comunista às grandes organizações sindicais, para uma ação geral contra a ofensiva patronal, concebida como uma greve nacional de todas as categorias liderada por uma coligação de todos os sindicatos. A história da receção da nossa proposta pode ser resumida em poucas palavras: obstrucionismo implacável por parte dos líderes sindicais, simpatia cada vez maior por parte das massas.

Com esta proposta tornámo-nos os iniciadores da frente única proletária, e ao mesmo tempo não interrompemos mas intensificámos o nosso trabalho para arrancar membros aos socialistas e anarquistas.

Outro aspeto geral da campanha foi o seguinte: por vezes somos derrotados na votação em reuniões e congressos sindicais onde os próprios funcionários são delegados, sem consultar as massas. Mas a nossa proposta quase sempre triunfa quando está em grandes comícios de trabalhadores, e especialmente nas reuniões que são convocadas durante as agitações parciais.

O espírito da proposta comunista foi plenamente compreendido pelas massas; estão agora convencidas de que não há esperança de sucesso contra a ofensiva burguesa através da ação parcial de grupos separados, e que é necessário unir todas as lutas que a ofensiva burguesa, com as suas múltiplas formas, está a suscitar no proletariado, numa única luta de todos os grupos no interesse de todos, porque se as derrotas proletárias continuarem, ninguém será poupado. No entanto, esta convicção é construída precisamente através das lutas parciais: os comunistas sempre participaram nelas para tomar parte direta na luta e, ao mesmo tempo, para levar as massas a forçar os líderes a uma ação geral. Assim, mesmo onde as lutas parciais, como quase sempre tem acontecido, não conduziram ao sucesso, a nossa influência aumentou. Estas lutas parciais, por outro lado, que se prolongam há seis ou sete meses, pelo simples facto de haver um movimento de classes, estão a elevar o moral do proletariado. Os trabalhadores estão a responder ao apelo à greve e também à luta e guerrilha contra as forças burguesas, e compreendem que se estes esforços não podem ser utilizados, é por causa das táticas dos líderes derrotistas.

Exemplos desta situação geral foram vistos em greves gerais em cidades e regiões (Trieste, Génova, Roma, Turim, Nápoles, etc.) e em greves nacionais por categoria (tipografias, trabalhadores portuários, etc.). As grandes massas em movimento fizeram da nossa palavra de ação geral a sua própria palavra.

O desenvolvimento desta campanha levou à formação da Aliança do Trabalho, composta pelos grandes sindicatos nacionais. A iniciativa para tal foi tomada em Fevereiro pelo Sindicato dos Ferroviários, que antes de convocar os sindicatos pretendia convocar os partidos com o único objetivo de os informar sobre a aliança de sindicatos proposta. Recusámos ir a esta reunião. A razão é simples e concreta: a nossa intervenção teria levado a um contraste irremediável de opiniões sem concessões de princípio muito sérias da nossa parte, e a Aliança do Trabalho não teria surgido, perdendo assim a plataforma que procurávamos para o melhor contacto com as grandes massas. Na verdade, não poderíamos ter assinado o comunicado equívoco e pacifista que saiu da reunião das partes. Limitámo-nos a enviar aos ferroviários uma carta dizendo que éramos os iniciadores da aliança sindical e que ela podia contar com a disciplina dos comunistas.

A iniciativa dos ferroviários coincidiu com a crise ministerial entre os gabinetes Bonomi e Facta. Era evidente que os Socialistas queriam então formar um bloco proletário a fim de o utilizar para pressionar para um ministério de "esquerda".

A posição independente do partido enquanto tal tinha o objetivo de nos permitir lutar contra este plano, atacando também a Aliança do Trabalho se esta se desviasse dos seus objetivos, sem contudo quebrar a sua estrutura e disciplina como coligação de organizações de massas. O plano do "melhor governo" em Itália é realizado como propaganda de derrotismo entre as massas, porque é apresentado como um meio para eliminar o fascismo e a reação, convidando o proletariado a desistir de qualquer resistência ativa. Portanto, mesmo que consideremos útil que este passo seja realmente dado, sobretudo para tirar ao proletariado esta última ilusão e liquidar a influência dos social-democratas, a tática que se impõe é a da nossa independência e constante oposição a este plano.

Por outro lado, a constituição da Aliança do Trabalho foi uma concessão feita pelos direitistas ao espírito de unidade de ação que tinha ganho as amplas massas, uma concessão que tinha sido feita pelos elementos de direita precisamente para diminuir a pressão destes e atrasar o momento em que a ação seria imposta. Tivemos de lutar contra o perigo de a Aliança pôr as massas a dormir por inação. Por conseguinte, na frente única, não precisávamos de uma posição de compromisso mútuo ligando a nossa ação a uma fórmula comum, mas sim de liberdade absoluta de ação e propaganda SEM SER CHANTAGEADO TODOS OS DIAS POR UMA AMEAÇA DE CISÃO.

Tendo levado socialistas e anarquistas a dar o passo irrevogável da Aliança Sindical, que se expressa em convocatórias de comités e comícios de massas, estabelecemos as diretivas de propaganda de maneira sistemática, tendendo a agitar o conteúdo real da ação que, segundo os comunistas, deve ser dada à Aliança. Num manifesto de Março, resumimos as suas fundações. Para os OBJETIVOS, apresentamos uma série de exigências concretas contra as manifestações económicas e políticas da ofensiva patronal, incluindo logo na primeira linha aquilo que os socialistas não aceitam: rejeição das reduções salariais – para os MEIOS, apelamos a uma greve geral nacional – para a ORGANIZAÇÃO da Aliança exigimos que esta seja alargada com base na representação direta das massas, com amplos comités locais nos quais todos os sindicatos estão representados, e com a convocação de um Congresso nacional da Aliança do Trabalho. No atual Comité Nacional exigimos então, também diretamente, através do Comité Sindical Comunista, que as delegações de cada órgão sindical nacional não fossem compostas apenas por funcionários da Central, mas fossem nomeadas numa base proporcional às frações em que cada sindicato está dividido. Se a proposta fosse aceite, a minoria comunista da Confederal, a minoria comunista do Sindicato dos Ferroviários, a minoria sindicalista pró-Moscovo do Sindicato entrariam no referido comité: a consequência seria que poderia haver uma maioria contra os socialistas da Aliança do Trabalho, composta por comunistas, sindicalistas e anarquistas.

A rejeição desta proposta permitiu-nos fazer campanha contra o sectarismo dos outros e o seu trabalho, que tem um efeito arruinador na unidade do proletário. Uma posição como a que exigimos deixaria, contudo, total liberdade de ação ao centro político do partido, ao mesmo tempo que lhe permitiria dirigir de perto e com absoluta certeza de execução o trabalho do pequeno grupo comunista no Comité da Aliança. O mesmo resultado está a ser alcançado nos comités locais, que foram aceites, e será alcançado cada vez mais à medida que a base da Aliança for sendo alargada às grandes massas.

Os Social-Democratas foram rejeitados nesta posição: reconhecer a impotência da mera ação isolada dos sindicatos individuais. Mas como as massas exigem irresistivelmente uma solução verdadeira, respondem que a solução reside na luta política: através da ação política dizem abertamente que a colaboração parlamentar do proletariado com a burguesia deve ser entendida: esta não é expressão vaga, mas uma solução concreta, e não é concebida de outra forma se não como um governo apoiado através do parlamento por socialistas, populistas e democratas burgueses de esquerda (Nitti, De Nicola).

Utilizar a força política do proletariado numa crise ministerial: este é o objetivo dos reformistas. Opõem-se à disciplina da maioria do partido socialista, que é Serraciano; mas este último encontra-se num impasse, não podendo contrariar a fórmula dos reformistas com uma palavra de ação autónoma, ao contrário do que se ouve em toda a sua propaganda à luta direta das massas contra a reação, sendo assim só capaz apenas de uma intransigência estéril e negativa.

Os reformistas apresentam a solução colaboracionista sobretudo porque perderiam a popularidade das massas se não propusessem uma solução, e evitam desesperadamente a da ação proletária geral.

Não querem perder o contacto com as massas, e segui-las-iam até ao campo da greve geral nacional, a fim de se prepararem, como sempre, para o fracasso dela e conduzir o proletariado enfraquecido de volta ao método de colaboração. Neste jogo, que tem precedentes trágicos na Itália, os reformistas fazem uso da cumplicidade da demagogia revolucionária dos maximalistas, e também especulam inteligentemente sobre o revolucionário ingénuo dos sindicalistas, anarquistas, e muitos outros elementos subversivos coloridos da política italiana.

Assim, a fórmula dos reformistas é: passagem à ação política. Uma coligação política de forças proletárias ser-lhes-ia útil, se fosse formada sem primeiro estabelecer claramente os seus limites e objetivos. Desta coligação emergiria um movimento das massas italianas como um todo, que seria conduzido para dois resultados: ou a solução ministerial que mencionámos, ou o colapso da coligação quando a sua ação se torna imparável, com a rutura da coligação proletária e a hábil inversão de responsabilidade para os elementos extremistas.

Recentemente este jogo foi revelado na proposta de uma conferência (secreta) do partido feita pela Aliança do Trabalho, após os representantes ultra-reformistas do C.G.L. concordarem com os outros sobre a inevitabilidade da greve geral: disseram, no entanto, que tal greve "só pode ser insurrecional e tender para uma crise política do regime". Daí a intervenção dos partidos políticos.

Isto poderia levar quer a uma coligação controlada pelos reformistas, quer ao fracasso do acordo devido à recusa dos comunistas, caso em que teriam boas razões para contrariar a nossa campanha de ação geral, dizendo que a tínhamos tornado impossível.

A forma como nos temos comportado nesta fase da luta é evidente a partir dos documentos aqui anexos. Intervimos na reunião. Declarámos que poderíamos chegar a uma coligação política, mas em condições precisas. Estas condições são tais que aceitá-las significa que para os socialistas e a C.G.L. ver o fracasso de todo o seu plano de desvio do movimento, enquanto que rejeitá-las nos dá uma boa oportunidade de demonstrar às massas a justeza das condições que estabelecemos, que são equivalentes a proteger o proletariado de traições e terríveis desilusões como aquelas de que a memória ainda está viva.

Esta nossa atitude tem sido puramente tática: na realidade somos a favor da greve geral sindical, a partir da qual se desenvolve a luta política, que é de facto um episódio da mesma, mas com um processo muito mais longo, e no qual o nosso trabalho de substituir com a nossa influência aquela dos socialistas e anarquistas deve ser inserido, para que o sucesso seja possível.

Somos contra qualquer coligação de partidos na direção da ação insurrecional e do movimento revolucionário das massas, do qual os outros falam com má fé ou inconscientemente, e geralmente com uma horrível falta de preparação. No entanto, as nossas táticas colocaram os outros numa posição muito embaraçosa: até agora não aceitaram nem rejeitaram as nossas propostas; não as podem aceitar e têm medo de se comprometerem rejeitando-as, uma vez que usam, contra o impulso de lutar, o argumento demagógico de que isto só pode ser "a revolução".

Dada a situação, não podemos pensar numa solução intermédia entre a colaboração burguesa aberta que os reformistas estão a preparar, e a nossa proposta de ação direta por parte das massas. O próprio facto dos elementos equívocos do movimento operário falarem do derrube do regime mostra que não há mais nada para falar.

Reconhecendo que ainda é absurdo pensar em deitar fora o grito: para a conquista da ditadura com o P.C. a liderar das massas, não há outra plataforma de agitação e ação que não seja a nossa proposta de ação geral dirigida pelos sindicatos. Os direitistas não têm argumentos para a contrariar perante as massas, e a sua aceitação marcaria um passo seguro no caminho para a conquista das massas pelo Partido Comunista.

É preciso ter em conta que nesta campanha somos constantemente acompanhados por outras forças: os sindicalistas do U.S.I. que são a favor de Moscovo (fração Vecchi) e os socialistas da fração Lazzari, Maffi e Riboldi. Uma vez que não temos qualquer compromisso político com eles como partido, a colaboração com eles é-nos útil porque somos nós que os controlamos continuamente. Com os outros elementos, os perigos são muito evidentes: deixávamo-los ser valorizados como amigos da unidade da frente e da luta proletária, e depois isto seria destruido por eles, e a derrota seria resolvida transferindo a responsabilidade para os comunistas, alegando que eles tinham dado um conteúdo demasiado forte à utilização das forças da coligação.

É esta a situação no nosso momento presente.


2. Evolução e perspetivas das táticas do Partido Comunista de Itália

Não é o caso aqui de desenvolver os argumentos utilizados pelo P.C. de I. para criticar as táticas da frente única no sentido em que foi decidido pelo C.E. Alargado da Internacional, e para desenvolver a questão geral e internacional. Limitar-nos-emos a algumas considerações que explicam e defendem a ação levada a cabo pelo P.C. em Itália e respondem às objeções práticas que lhe foram feitas.

O espírito da tática da frente unida é a conquista das massas realizada utilizando as circunstâncias produzidas pela ofensiva burguesa, e pondo-nos em contacto com a parte do proletariado que segue outros partidos políticos.

É uma questão de criar uma plataforma de agitação que tenha uma extensão maior do que aquela que pode ser dada pela simples propaganda do nosso programa e dos nossos princípios políticos. Trata-se também, sem dúvida, de influenciar a evolução real da situação, mesmo nas fases que deverão preceder a da luta final pela conquista do poder pelo proletariado, sem renunciar à preparação das condições para o sucesso desta luta final, na qual o P.C. terá de ser o protagonista. Essencial para a conquista das grandes massas é o entendimento de que a propaganda e a preparação revolucionária só podem ser realizadas no terreno das lutas do proletariado pelos seus interesses imediatos, do qual retira a experiência necessária para a sua tarefa futura. Que isto é perfeitamente compreendido pelo nosso partido é demonstrado pela sua atividade extremamente intensa nos sindicatos e nas lutas económicas do proletariado italiano. O facto de colocar de forma concreta a questão da passagem das lutas económicas individuais para a sua síntese numa ação unida com a massa proletária inteira sem distinção de categoria ou localidade, que é o processo marxista através do qual cada luta económica revela o seu conteúdo político, é demonstrado pela campanha pela proposta de ação proletária geral, baseada nos interesses imediatos das massas, e utilizada para a difusão e extensão do círculo de influência do nosso partido. Esta campanha permitiu-nos precisamente entrar em contacto com a parte do proletariado que é controlada por outros partidos políticos, e ganhar contra eles uma série de posições, mostrando que são inimigos não só da revolução comunista, mas também da luta das massas em defesa dos seus interesses concretos e óbvios aos olhos de todos os trabalhadores.

Para alcançar tal resultado – que hoje tomou forma na ALIANÇA DO TRABALHO, um organismo cuja tarefa é reunir as grandes massas trabalhadoras e pô-las em movimento, como muitas ações locais e a manifestação do Dia de Maio demonstraram – o nosso partido não fez qualquer renúncia, não teve de suavizar as suas críticas e polémicas contra os outros partidos, não assumiu qualquer compromisso nem assinou qualquer declaração comum contendo uma linha intermédia e ambígua entre os nossos princípios e os dos outros partidos. Nas reuniões da Aliança trazemos os nossos próprios princípios, que não contêm as teses teóricas da doutrina comunista ou do programa político do partido, mas foram preparadas por nós sem qualquer consideração que as pudesse atenuar; muitas e muitas vezes estas resoluções, aceites pelas grandes massas, especialmente durante as suas agitações, são reproduzidas textualmente na imprensa dos outros partidos, porque são resoluções oficiais da ALIANÇA.

Ao mesmo tempo, não só não renunciámos ao nosso trabalho de conquistar os sindicatos, como suportamos dia após dia na nossa campanha pela frente única proletária, obrigando os social-democratas a abandonar as suas posições sindicais quando, perante as massas, a sua oposição às nossas propostas de ação comum permanece em minoria. Assim, a nossa rede de infiltradores e estruturamento sindical é alargada, na qual repousa a influência do nosso partido, e que cada vez mais adere a todos os ramos do movimento sindical e também a outras formas de organização dos trabalhadores (cooperativas, etc.). Se o ramo central da aliança sindical trair a causa proletária no decurso de um movimento, e se o partido julgar que é possível levar a luta até ao limite, pode assumir a liderança da luta, dando um golpe nos ramos centrais sindicais através da sua organização sindical, que é estritamente regulada pelo partido. Se, por outro lado, uma ação decisiva dirigida apenas pelo Partido Comunista não for possível, e o movimento for interrompido pelos seus líderes enquanto ainda puder desenvolver-se, ou for sabotado e traído, o P.C. poderá colocar sobre eles toda a sua responsabilidade, fazendo deste facto um ponto de apoio para a extensão da sua influência e para a preparação de outras lutas.

A experiência das circunstâncias em que o proletariado italiano foi traído e sabotado nos seus movimentos, que foram conduzidos numa base unitária, mostra como é necessário que os verdadeiros revolucionários apareçam às massas numa posição constante de independência em relação à política dos oportunistas. Até agora, porque os comunistas têm estado unidos com o partido socialista, e os anarco-sindicalistas têm estado demasiado dispostos a aceitar a responsabilidade pelos movimentos em comum com o Partido Socialista e os reformistas da confederação, o trabalho dos elementos de direita levou o movimento ao fracasso através de compromissos com a burguesia, e depois disso a grande massa do proletariado desmoralizado afastou-se dos elementos de esquerda, acreditando que eles eram responsáveis pela derrota. O que dizemos sobre os anarquistas serve para mostrar que para evitar tal armadilha não basta ter a independência da organização do partido, mas é também necessário ter independência das responsabilidades comuns na condução da luta. Por outro lado, é necessário participar nesta luta, e estar na linha da frente daqueles que a agitam e promovem o destacamento de todas as forças proletárias; este problema prático parece-nos ser resolvido pelas nossas táticas da melhor forma possível dada a situação italiana. Por outro lado, perante as massas, o partido não dirá friamente que não pode partilhar a responsabilidade de dirigir uma ação em conjunto com os socialistas, porque tal argumento não é compreensível precisamente para as massas que seguem os socialistas; mas colocará tais condições sobre uma ação comum que as próprias massas trabalhadoras as julgarão justas, virando-se contra os social-democratas que não têm uma plataforma política e uma organização que as possa aceitar, ou seja, que se possam colocar no terreno de uma luta em defesa da classe trabalhadora.

No que diz respeito à situação concreta e ao desenvolvimento das relações sociais e do regime político em Itália, já mencionámos que duas propostas estão hoje a ser apresentadas às massas: a dos reformistas, que propõem a colaboração com a burguesia de esquerda como meio de suavizar a ofensiva fascista e reacionária, e a dos comunistas, que propõem uma ação geral de luta direta, entendendo isto como uma plataforma para parar com a arrogância da ofensiva burguesa e intensificar ainda mais a preparação revolucionária para as lutas em que o P.C. terá uma parte mais proeminente.

Os comunistas italianos colocam-se claramente neste terreno: que é útil que a política dos socialistas colaboracionistas completem o seu curso, até ao fim. O proletariado poderá assim ver que esta solução é ilusória, e abandonará as ilusões social-democratas e reformistas através de um processo muito mais rápido do que a propaganda por si só pode determinar.

Mas não será aconselhável, para obter este resultado e obrigar os socialistas reformistas a assumirem responsabilidade, estabelecer uma palavra de ordem sobre a forma de governo, que é intermédia entre a colaboração burguesa e a do poder proletário com base na ditadura? Não fazemos aqui qualquer consideração de princípio. Apenas notamos que o jogo da traição reformista só é possível em Itália graças à cumplicidade do pseudo-revolucionismo maximalista dos Serracianos e à ingenuidade do radicalismo pequeno burguês dos anarquistas e de muitos outros movimentos ambíguos, cada um dos quais com fórmulas prontas para a mudança do regime político. Especulando sobre tudo isto, os reformistas permitem a hipnotização das massas com toda esta fraseologia revolucionária, atrás da qual tecem a sua trama de pura e simples dedicação ao domínio burguês. Não devemos esquecer que os próprios reformistas propuseram, propõem e proporão palavras de ordem para uma mudança de regime político (em 1919 a assembleia constituinte do sindicato e a república de Modigliani, hoje temos os passos para as políticas de D’Annunzio e a proposta de que falámos da greve insurrecional votada pela Aliança Trabalhista, etc.). Nesta situação, a tarefa do P.C. é trabalhar para a união de todas as forças proletárias, mas ao mesmo tempo para a destruição da confusão política. Se propuséssemos uma fórmula de governo proletário, para além do facto de ser difícil compreender o significado destas duas palavras, os socialistas de esquerda e os anarquistas sufocariam-nos sob a sua demagogia pela Revolução sem adjetivos e Ultra-revolução.

A fim de lutar contra o derrotismo desta demagogia, existe apenas a formulação de programas de luta que, para as massas, parecem completamente concretos e realizáveis na atual situação real. A proposta dos reformistas tem este aspeto realizável porque é possível na prática parlamentar, dada a atual composição da Câmara. A dos comunistas é igualmente prática e concreta. Uma vez que os maximalistas Serracianos não têm e não podem ter uma fórmula positiva, sendo muito intransigentes nas palavras e sendo pacifistas e inimigos da luta nos atos, é necessário sair do dilema acima referido a fim de esmagar todos os mal-entendidos e de fazer com que o proletariado entenda em termos claros a questão.

Depois há o problema da luta contra o fascismo. A proposta de colaboração dos reformistas baseia-se inteiramente na propaganda entre as massas contra o princípio da resistência direta e armada, a fim de lhes dar a ilusão de que existem meios pacíficos e legais para erradicar o fascismo. Agora, nas palavras, os socialistas de esquerda não são a favor da colaboração, mas empenham-se dedicadamente a colaborarem, pois também eles fazem propaganda a favor da passividade, da não-resistência e do acalmamento dos temperamentos. Só defendendo a necessidade de uma ação armada do proletariado contra o fascismo e todos os reacionários pode opor-se à campanha colaboracionista. Esta palavra é intensamente popular, uma vez que a indignação proletária contra os fascistas cresce todos os dias: é uma questão de organização. Uma palavra de ordem que dê às massas um falsa vista da possibilidade de poder ganho de outra forma para além armas só favoreceria o jogo comum dos reformistas e dos maximalistas, e num certo sentido o trabalho negativo dos anarquistas, que se propagandeiam contra uma organização das forças armadas proletárias destinada a constituir um poder político de classe, contra o "militarismo vermelho".

A palavra do governo dos trabalhadores é portanto excluída da situação por uma série de razões concretas, que mostram que não só não serviria para polarizar à nossa volta as massas mais vastas, como comprometeria os resultados obtidos até agora e a posição já adquirida pelo P.C., que parece ser o primeiro apoiante dessa ação direta comum que é profundamente desejada pelas massas, enquanto é dificultada pela influência de todos os tipos de oportunistas.

Gostaríamos agora de dizer algo contra as muitas objeções levantadas, nem sempre com conhecimento dos factos, contra o nosso partido e as suas táticas. Mas o que propusemos é uma resposta suficiente, e assim mais vale abandonar logo duas críticas estranhamente contraditórias: a primeira, que o nosso partido é um partido dedicado à especulação teórica e não à ação prática; a segunda, que está preocupado com o trabalho sindical e não com o trabalho político. As lutas e problemas sindicais em Itália hoje em dia são, acima de tudo, extremamente políticos, e quando propomos fórmulas de organização e entendimento no campo sindical não é para pôr de lado os nossos próprios objetivos políticos, mas para nos aproximarmos deles precisamente com o espírito da tática da frente unida, ou seja, fazer a nossa política contra as dos outros, depois de os termos levado a colocar as suas forças em terreno comum com as nossas. Contra esta série de razões concretas, que coincidem com o desenvolvimento teórico das nossas teses táticas, que agora não é o momento de discutir, é na verdade apenas uma forma de raciocínio a priori ver uma contradição formal entre as duas práticas da "frente única sindical" e da "frente única política". Seria talvez uma contradição para o partido italiano, e para todos os outros, não ter dividido o sindicato ao nível político, por um lado a favor da unidade sindical e por outro contra a unidade política? Estes argumentos não merecem mais do que algumas linhas a serem retiradas do campo de discussão.

Acreditamos que os comunistas fazem ação política não valorizando "os partidos", mas valorizando o seu próprio partido, que surgiu precisamente porque só as suas diretivas podem dar os fundamentos a uma política de classe. Deslocar as forças dos outros partidos e tentar influenciar o seu jogo é uma tarefa tática do Partido Comunista e da sua política, mas ninguém pode concluir disto que é ação política fazer um compromisso com os socialistas, por exemplo, e ação apolítica atacá-los diariamente e colocá-los perante uma proposta de ação comum com base nos sindicatos, a fim de alargar a nossa influência política sobre os sindicatos e esmagando a deles.

É também claro pelo que dissemos que não temos escrúpulos sentimentais em abordar os socialistas ou outros líderes políticos e sentarmo-nos com eles à mesma mesa, o que fizemos e faremos quando a necessidade surgir, e não só quando eles representam os sindicatos mas também, por vezes, quando representam o partido. Colocamos o problema em terreno bastante diferente do que é dado por estas trivialidades, como se pode ver pelo que foi dito anteriormente. Na sua difícil ação, o P.C. de I.. passou e passa por situações muito mais difíceis, e os nossos camaradas estão a trabalhar mesmo em organizações católicas e fascistas. Acreditamos que as objeções que têm circulado sobre as nossas táticas dependem só de ignorância da questão, algo pelo qual não acusamos camaradas de outros países, mas pelo qual nós próprios somos responsáveis até certo ponto. As discussões e trocas diretas de ideias só podem esclarecer a situação e retificar a avaliação das diretivas seguidas pelo nosso partido, tudo de acordo com o espírito animador da nossa doutrina e organização comuns.

 

3. O congresso e as relações entre o P.C. de I. e o Comintern

As teses preparadas para o congresso nacional do nosso partido reuniram-se com o consenso de todos os camaradas. Se a discussão não foi apaixonada, é porque o P.C. de I. se dedica ao trabalho e à ação e não à especulação e à polémica interna. A disciplina rigorosa que nela prevalece habituou a massa de camaradas a confiar na orientação tática dos líderes.

A Central nada fez para limitar a discussão, nem o conhecimento por parte da parte de todo o material relacionado com a posição tomada pela Internacional na disputa da frente única.

Quando as decisões do Comité Executivo Alargado, tomadas contra o voto da nossa delegação e contra a resolução apresentada por esta última e inspiradas pelas nossas teses táticas, se tornaram conhecidas, as organizações partidárias já tinham todas votado a favor das teses do C.C.

Alguma oposição foi formada no congresso. Esta oposição surgiu não porque as ideias da Internacional Comunista na frente única persuadiram alguns camaradas que vieram a aprender sobre elas, mas apenas porque estes camaradas – com as devidas exceções honrosas – encontraram a coragem nesta situação para se envolverem numa polémica contra o executivo ditatorial.

A oposição veio ao encontro da suspeita campanha de desintegração do partido levada a cabo pelo Ambrosini, bem conhecido, que graças à consciência dos camaradas e à energia da Central não encontrou repercussões. Na oposição havia alguns que, não tendo ainda a preparação necessária para os militantes do P.C. e tendo preservado o velho espírito dos políticos do PSI, queriam desabafar o seu desejo de ter mais autoridade e influência no partido.

Esta oposição não soube construir a sua própria e respeitável plataforma de discussão, para além das sensatas declarações dos camaradas Tasca e Graziadei; e das tentativas de Presutti, que não era adequado para isso. A oposição começou a trabalhar nos corredores, espalhando rumores equívocos e derrotistas e usando indevidamente o nome da Internacional com imprecisões e mentiras. A prevalência destes métodos teria começado a degeneração do nosso partido, e julgámos necessário esmagar os adversários à luz de uma discussão aberta e completa. Por conseguinte, há também motivação para educar e treinar o partidos na nossa conduta.

Quanto à questão disciplinar, considerámo-la satisfatoriamente resolvida pela fórmula da moção aprovada antes da discussão das teses, aceite pelos delegados do C.E. e não contrária a qualquer pedido oficial da Internacional de que tínhamos conhecimento. Quaisquer mal-entendidos que possam ter surgido a este respeito são esclarecidos numa carta de Radek e numa carta de Terracini para o Presidium.

A oposição, após a votação unânime da moção, em vez de polémicizar os méritos das nossas teses, tentou novamente "contorná-las", re-apresentando a questão disciplinar e processual de uma forma legal, que tinha sido ultrapassada de forma preliminar, e especulando sobre o parecer já emitido pela Internacional – com o único objetivo de mover votos e criar incertezas entre os delegados. Já dissemos que perante estas manifestações de parlamentarismo vulgar era necessário prosseguir com energia, e era necessário ser muito intransigente e exigir a votação das teses táticas sem reservas, mas não por intransigência para com a Internacional, a sua opinião e a disciplina que devemos manter, mas sim para quebrar as armadilhas da oposição, sem nos baixarmos a suavizar a nossa posição para irmos à pesca dos votos dos indecididos, como é feito pelo oportunismo tático que consideramos prejudicial às próprias bases do partido.

Após a votação, os camaradas mais autorizados da maioria concordaram com a composição da nova Central. Não queriam fazer uma tendência central, mas queriam excluir elementos que se tinham mostrado ou incapazes ou desleais.

O facto de a maioria não querer fazer uma questão de tendência ou de cliques é demonstrado pelos critérios efetivamente adotados: um camarada que em Livorno estava à direita do partido permaneceu no C.E.; alguns camaradas da esquerda que tinham dado ou podiam dar pouca atividade, mesmo sendo alguns do mais simpátizadores ao ponto de vista do C.E., foram excluídos. Dos novos membros, foram escolhidos homens sérios de fé comprovada, e entre eles alguns que simpatizavam claramente com a tese da Internacional. Não seguiram um critério político, mas diríamos um critério "moral": a verdadeira palavra é um critério técnico. Procuraram os mais adequados, excluindo aqueles que, por falta de seriedade e consciência, ainda concebem o partido como um pedestal para a proclamação pessoal, ou como um terreno fértil para mexericos e conspirações no corredor parlamentar, e também aqueles que, apesar de possuírem talentos úteis, se afastam de posições de responsabilidade. Escolhemos homens capazes e dispostos para o nosso trabalho, para quem as milícias comunistas não são um desporto ou uma pose estética, e que não têm medo dos riscos.


4. Propostas concretas feitas pelo C.E. do P.C. de I. ao Comintern

1. O P.C. de I. não tomará a iniciativa para se reunir com outros partidos políticos.

2. O P.C. de I. continua a realizar o seu programa atual no seio da Aliança do Trabalho, com a perspetiva de poder encontrar consenso entre sindicalistas e anarquistas, colocando os socialistas em minoria no seio da A.d.T.

3. O P.C. de I.., para além das suas opiniões sobre o congresso mundial dos trabalhadores, proporá oficialmente que a Aliança do Trabalho italiana participe na campanha para a sua convocação. Nesta campanha, o P.C. de I. tem o direito de apresentar o congresso mundial como uma reunião contingente para um acordo de ação, mas não como a base de uma única organização proletária mundial, nem como a premissa necessária para a emergência em todos os países de uma coligação de partidos proletários.

4. Quando o P.C. de I. receber convites do PSI e de outros organismos proletários para conferências em que participem outros partidos políticos, participará. O P.C. de I. apresentará como condição de acordo uma série de pontos de modo a excluir a possibilidade de propaganda e ação dos outros que desviaria o proletariado da ação direta e armada e da sucesso das suas lutas, em caso de vitória, para o poder proletário. Ver as condições apresentadas na conferência de Roma. As condições são prejudiciais para o entendimento da situação, e não devem ser modificadas de modo a tornar o próprio entendimento possível. Em caso de rutura, o P.C. de I. declara-se sempre, incondicionalmente, a favor de uma greve geral nacional liderada pela Aliança do Trabalho, e continua a sua campanha para esse fim.

5. Qualquer coligação ou acordo com o PSI. a nível eleitoral, parlamentar ou governamental está absolutamente excluído.