Partido Comunista Internacional


GREVE NACIONAL NO EQUADOR

O movimento indígena equatoriano se levantou em massa contra o governo. Com uma significativa capacidade de mobilização, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), juntamente com outras organizações indígenas como ECUARUNARI, CONFENIAE, FEINE e FENOCIN, promoveu uma greve nacional contra o aumento da gasolina e do diesel (que historicamente tiveram um preço subsidiado) e apresentou uma lista de 10 demandas. Os protestos, que começaram em 13 de junho e incluíram o fechamento intermitente de estradas em mais da metade das 24 províncias do Equador e em pelo menos seis setores da capital, foram acompanhados por estudantes e trabalhadores que marcharam em Quito e entraram em choque com a polícia. A repressão e o toque de recolher foram a resposta do governo, e as estatísticas de prisões, ferimentos e mortes começaram a ser registradas.

O braço político da Conaie, Pachakutik, é a segunda maior força da Assembléia Nacional, detendo 18 dos 137 assentos. Os povos indígenas representam mais de um milhão dos 17,7 milhões de habitantes do Equador. Conaie e Pachakutik são movimentos tão oportunistas e burgueses-democráticos quanto os partidos que controlam o governo ou os partidos de oposição, entre os quais se destaca o chamado "correismo". Eles são movimentos incapazes de dar liderança proletária à greve nacional.

A lista de exigências da CONAIE concentrou-se principalmente nas exigências das pequenas e médias empresas e da produção agrícola, minimizando as exigências dos assalariados. No entanto, as massas se uniram gradualmente à rejeição do alto custo de vida, ou, em outras palavras, dos baixos salários dos trabalhadores. As centrais sindicais e os sindicatos em geral não se faziam sentir e não promoviam a agitação e a mobilização dos trabalhadores. Os trabalhadores se juntaram espontaneamente, sem sua própria lista de exigências.

Mas as molas da luta de classes estão lá, tensas pelos baixos salários, pelo desemprego, pelo esgotamento das horas de trabalho, pela falta de higiene e segurança nos locais de trabalho; e assim os promotores da greve nacional no Equador podem acabar despertando o gigante adormecido: o proletariado, os trabalhadores assalariados. Justamente devido ao medo de que a agitação social acabe acordando os trabalhadores, a burguesia já está preparando não apenas a ação demagógica e conciliadora dos partidos oportunistas, mas deixou o barulho do sabre soar como uma carta na manga se as coisas saírem do controle.

Os trabalhadores assalariados equatorianos devem caminhar para a organização e mobilização fora e contra os sindicatos atuais e retomar a luta de classes por aumentos salariais e redução da jornada de trabalho, reunindo todas as suas forças em uma verdadeira Greve Geral, que paralisará a produção e os serviços e forçará os capitalistas e seu governo a darem um passo atrás em suas políticas antitrabalhadores. Somente assim a luta de classes no Equador poderá dar um salto qualitativo e se libertar da camisa de força atualmente imposta pelos diferentes partidos oportunistas, quer eles se declarem da direita, do centro ou da esquerda.

Qualquer um dos partidos que provocou a greve no Equador só pode levar o movimento até a substituição de um governo burguês por outro. Embora o movimento tenha mesmo assumido tons insurrecionais e, em algumas províncias, tenha até assumido o controle de governos regionais, o proletariado equatoriano nada tem a esperar de um novo governo controlado pelos partidos e movimentos que coordenaram a greve, o que rapidamente demonstrará que eles não passarão de novos administradores dos interesses da burguesia. Guillermo Lasso, Presidente do Equador, anunciou no domingo, 26 de junho, uma redução de dez centavos de dólar nos preços dos combustíveis, que já haviam sido congelados, numa tentativa de responder a uma das principais demandas dos protestos; no entanto, esta redução foi considerada insuficiente pelo movimento indígena. Enquanto, por um lado, o movimento indígena começou a dialogar e negociar com o governo, no Parlamento os deputados que apoiavam o ex-presidente Rafael Correa pediram a destituição do presidente Lasso. Embora o diálogo com o governo tenha começado na segunda-feira 27 de junho sem parar a greve, era evidente que o ritmo dos protestos começou a diminuir.

Para a transformação de toda a energia social em um movimento revolucionário anti-capitalista, a constituição de uma seção do partido comunista internacional é indispensável, a fim de iniciar um trabalho sério de organização e orientação política das lutas da classe trabalhadora.